Seja bem-vindo. Hoje é

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Genéricos Br – Aplicativo para iPhone

Mais um ótimo aplicativo para se ter no iPhone é o Genéricos BR.
Ele é um guia de medicamentos de referência e seus equivalentes genéricos destinado tanto a profissionais de saúde brasileiros quanto ao público em geral.

Características:
- Busca por princípio ativo ou medicamento de referência
- Consulta offline a bulas dos 130 genéricos mais populares no Brasil
- Acesso rápido ao bulário eletrônico da Anvisa
- Lista de fabricantes e formas farmacêuticas de cada genérico
- Identificação de medicamentos controlados

Para alguns medicamentos ainda é disponibilizada as interações medicamentosas, as formas farmacêuticas, as posologias, os efeitos adversos, as contra-indicações, as precauções e as indicações.

imageimage





















iTunes link

Continue lendo >>

Share/Save/Bookmark

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Leve a Tabela CBHPM e o CID-10 no seu bolso com este aplicativo para iPhone

Se você não trabalha em um serviço que tenha um sistema de prontuário eletrônico o MobileCare Tools Lite é um aplicativo indispensável. Ele permite acesso a informações de CID (CID-10) e é possível pesquisar pelo nome ou código das doenças ou utilizar o menu interativo para localizar uma doença de acordo com seu Capítulo, Grupo e Categoria. Ainda existe a opção de salvar nos favoritos os CIDs que você mais precisa para não ficar pesquisando sempre.

Na versão grátis a aplicação permite também acesso a listagem de procedimentos da tabela da Classificação Brasileira Hierarquizada de Procedimentos Médicos (CBHPM). O usuário está limitado a uma consulta por dia.
Na versão paga (MobileCare Tools) por $1,99 é permitido também o acesso a informações de procedimentos incluindo número de auxiliares e porte anestésico da 5a. CBHPM.

imageimage





















iTunes link: MobileCare Tools
iTunes link: MobileCare Tools Lite

Continue lendo >>

Share/Save/Bookmark

domingo, 28 de novembro de 2010

Venda de antibióticos com retenção da receita na farmácia começa a valer hoje

imageSegundo a OMS, 50% das prescrições de antibióticos no mundo são inadequadas. E finalmente uma resolução da ANVISA irá tentar impedir a venda indiscriminada de antimicrobianos.                                                        
Os antibióticos vendidos nas farmácias e drogarias do país só poderão ser entregues ao consumidor mediante receita de controle especial em duas vias. A primeira via ficará retida no estabelecimento farmacêutico e a segunda deverá ser devolvida ao paciente com carimbo para comprovar o atendimento. As embalagens e bulas também terão que mudar e incluir a seguinte frase: “VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA - SÓ PODE SER VENDIDO COM RETENÇÃO DA RECEITA”.
As empresas terão 180 dias para fazer as adequações de rotulagem.
A nova norma definiu, também, novo prazo de validade para as receitas, que passa a ser de 10 dias, devido às especificidades dos mecanismos de ação dos antimicrobianos.  Todas as prescrições deverão, ainda, ser escrituradas, ou seja, ter suas movimentações registradas no Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados (SNGPC).
As medidas valem para mais de 90 substâncias antimicrobianas, que abrangem todos os antibióticos com registro no país, com exceção dos que tem uso exclusivo no ambiente hospitalar.

Continue lendo >>

Share/Save/Bookmark

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Teste sua velocidade de raciocínio clínico neste jogo para iPhone


O Diagnose the Disease desafia você a identificar as doenças, como as imagens são reveladas. Médicos, enfermeiros, estudantes de medicina ou outras pessoas interessadas em medicina vai encontrar este jogo interativo, educativo e divertido.

O jogo dependerá da sua velocidade e precisão.

Competir contra os médicos de topo em todo lugar, submetendo o seu resultado no final de cada jogo.
image image
Corra contra o relógio para diagnosticar a doença e teste seu conhecimento!

iTunes link

Continue lendo >>

Share/Save/Bookmark

sábado, 20 de novembro de 2010

Android está atrasado em relação a plataforma do iPhone no desenvolvimento de aplicativos médicos

Android está atrasado em relação a plataforma do iPhone no desenvolvimento de aplicativos médicos - tanto em volume como em qualidade. Não há nem mesmo uma categoria médica no mercado do Android.
image 
O iMedicalApps consultou desenvolvedores que transmitiram algumas das suas preocupações e dificuldades técnicas na criação de aplicações médicas para o mercado de Android.
A principal questão colocada para desenvolvedores de aplicativos Android: Quais os obstáculos que você encontrou, e que preocupações você tem, como você cria aplicativos médicos para o Android?

1. Android ainda está relativamente "novo." O ano passado houve um crescimento significativo no número e popularidade de dispositivos Android. Dito isto, o Android ainda não construiu um grupo de seguidores leais na mesma escala que os dispositivos IOS (IPAD, iPhone e iPod Touch). Poucos usuários dedicados significam menos downloads, e menores margens de lucro para os desenvolvedores de aplicativos. Um desenvolvedor de apps para iPhone e Android relata "Em termos de vendas e receita, a experiência com o Android não chega perto da experiência com o iPhone." Será que o mercado de celulares com Android continuará a explodir? Desenvolvedores de aplicativos para Android podem esperar maiores lucros para o seu trabalho no futuro? As respostas a estas questões cruciais dependem tanto da popularidade do Android continuar, e (talvez ainda mais importante) sobre os rumores do calendário de expansão do iPhone para a Verizon e outras redes sem fio.

2. Variabilidade na experiência do usuário. Em contraste com o iPhone, a experiência com o Android difere significativamente, dependendo do hardware (telefone) que você possui. Você já ouviu as queixas, muitas vezes repetidas, de usuários do Android sem acesso a novos aplicativos em versões mais antigas do sistema operacional Android, mas os desenvolvedores do Android também relatam dificuldades com a aparência de suas aplicações em diferentes dispositivos Android - mesmo aqueles que executam a mesma versão do sistema operacional . Avarias no menu, discrepâncias no tamanho da tela, e não aparecer todos os itens parecem praga nos dispositivos Android mais do que o iPhone / IPAD.

3. Limitações de armazenamento. A maioria dos dispositivos Android estão equipados com uma pequena quantidade de armazenamento interno, com espaço extra em um cartão maior de armazenamento removível. Como a maioria dos aplicativos não podem ser executados exclusivamente a partir do cartão SD, a quantidade de espaço para inúmeras aplicações é limitado. Esta característica infeliz de dispositivos Android (iPhones normalmente têm comparativamente mais armazenamento interno) limita não só a quantidade de aplicativos para profissionais de saúde, mas também limita a qualidade. Grandes aplicações, especialmente aquelas com recursos multimídia, rapidamente preenche o espaço limitado de armazenamento em dispositivos Android.

4. As preocupações de segurança. Em teoria, os desenvolvedores do iPhone terão menos liberdade para criar aplicativos inovadores que os desenvolvedores do Android. Estamos constantemente a ouvir que a força do Android é a sua natureza "aberta". Mas a natureza relativamente "restritiva" da plataforma iPhone também garante maior segurança para os desenvolvedores de uma perspectiva própria. "A maneira pela qual provisionamento e o licenciamento dos dispositivos ... é controlada [pelo iPhone] ajuda a proteger os direitos de propriedade desenvolvedor melhor do que o sistema operacional Android faz."

O iMedicalApps ouviu de desenvolvedores de aplicativos médicos que a experiência com a criação de aplicativos médicos para o Android tem sido marcada pela frustração técnica e as vendas bem inferiores em comparação com o iPhone. Os fiéis ao Android esperam que estes problemas irão ser resolvidos com o amadurecimento do mercado e os desenvolvedores do Android encontrarão formas inovadoras de criar e proteger seus produtos.

Desenvolvedores: vocês já tiveram experiências semelhantes? Como você está vendo a experiência global melhorar?

Fonte: iMedicalApps

Continue lendo >>

Share/Save/Bookmark

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Por que os médicos devem cuidar da gestão de sua reputação online

image

Vou explicar um pouco sobre por que os médicos devem se preocupar com a gestão da reputação online (ORM).

Enquanto o mundo online se torna mais penetrante, reputações são construídas e geridas cada vez mais na Internet. Gestão da Reputação Online é o processo de acompanhamento, endereçamento ou atenuantes (páginas de resultados nos motores de pesquisa) ou menções on-line e nas mídias sociais.

Os médicos são tão visíveis como qualquer pessoa na Internet e a visibilidade só vai aumentar. Historicamente, o médico compreendeu que ele / ela era uma figura de liderança na comunidade. Uma certa expectativa e responsabilidade é inerente à função. Enquanto os médicos não devem ser super-humanos, eles são modelos, queiramos ou não. Com a proliferação de informações na Internet, impulsionada fortemente por blogs e, mais recentemente a "mídia social", a reputação de um médico pode crescer ou despencar em um nano-segundo.

Algumas semanas atrás eu conversei com um grupo de médicos no Oregon. De antemão eu fiz uma pesquisa no Google de várias pessoas que estavam indo para a reunião e levei screen shots de primeira página do Google. Em todos os casos houve informação errada sobre o médico. Em vários casos, os erros foram significativos. Nessa mesma discussão, os médicos descreveram as dificuldades que eles passam por tentar corrigir má informação em sites como o Vitals, HealthGrades, Yelp, (no Brasil temos o Portal Consulte) etc. Um gerente de operações de um grande serviço compartilhou uma história que ocorreu meses antes em que um paciente escreveu uma análise contundente de um de seus médicos na Angie's List. Eles não pensavam muito nisso, até que perceberam que a revisão recebeu milhares de visitas em poucas semanas. Isso é um problema de gestão de reputação!

Mais e mais pacientes estão pesquisando médicos online. Colegas médicos estão fazendo o mesmo. A menos que esteja à beira da aposentadoria, você tem que prestar atenção. Isso afeta tanto médicos da atenção primária, quanto especialistas e cirurgiões. Enquanto os médicos empregados podem pensar que são imunes, não é verdade. Não só sua instituição ganha ou perde a reputação coletiva de seus médicos, mas você pode não estar sempre na mesma função. Ignorar a sua reputação online agora assemelha-se a jovens universitários que postam fotos de si mesmos envolvidos em todos os tipos de performance no Facebook, pensando que o mundo profissional está longe. É a sua reputação profissional. Você trabalhou duro para chegar onde está e você deve isso a si mesmo, gerir e proteger.

Antes de discutir ferramentas e técnicas para gerenciar a reputação de alguém, eu quero ter certeza de que tenham um entendimento comum da reputação e do que poderia se preocupar e por quê.

Para manter as coisas simples, vamos nos concentrar em apenas dois componentes principais que importam quando se trata da reputação de um médico: colegas e pacientes. Em cada caso e por coisas diferentes, com uma grande área de sobreposição vagamente classificada como competência. No final do dia, os colegas querem se associar com os pares competentes e colaborar no processo de tratamento com os colegas que irão corresponder às suas normas. Pacientes obviamente querem ser tratados e curados de forma mais eficaz possível... Isso não diminui o interesse por questões acessórias como o custo, a personalidade.... Mas no final do dia os resultados falam mais alto. No mundo off-line (que usamos para dizer 'mundo real'), uma reputação profissional foi construída através da combinação de uma série de coisas:

  • Resultados
  • Colaboração / Assistência
  • Boca-a-boca, com base na experiência das pessoas ou a percepção
  • Pesquisa / Publicações
  • Ensino
  • Falando
  • Participação comunitária, incluindo as contribuições de caridade
  • Atividades extracurriculares

Curiosamente, reputações são construídas da mesma maneira hoje. A diferença é a velocidade com que se propaga a informação e as distâncias que viaja. Resultados são talvez mais conhecidos hoje com a facilidade com que os dados são acessados e repassados. Há uma verdade agora facilmente entendida que, se um cliente tem uma boa experiência com um restaurante, ele conta para um amigo, mas se tiver uma má experiência, ele conta para 10. Não somente isto, essencialmente, são válidos para os médicos, mas o 1 ou o 10 aos trancos e barrancos chegam mais rápido do que na época pré-Internet. Além disso, os números vão de 1 e de 10 a 1.000 e 10.000, em alguns casos. Pensadores ainda são líderes do pensamento, só que hoje eles têm mais algumas ferramentas à sua disposição. Sua voz é ampliada através do poder da web. Mesmo vale para a colaboração, a pesquisa e assim por diante.

Para resumir, a sua reputação online é um negócio sério. Você deve isso a si mesmo e precisa de alguma atenção.

Tobin Arthur é CEO e fundador da iMedExchange e blogs em seu site auto-intitulado, Tobin Arthur .

No Brasil mais da metade dos brasileiros não tem acesso à internet, por isso, a busca por informações sobre médicos e a troca de informações entre os pacientes ainda são reduzidas mas estão aumentando rapidamente.

É cada vez maior o número de médicos presentes ativamente nas redes sociais e a preocupação com a reputação online deve ser constante.

Fonte: KevinMD

Continue lendo >>

Share/Save/Bookmark

terça-feira, 26 de outubro de 2010

O ABC da Vida mudou de ordem-Novo Guideline da American Heart Association

A American Heart Association publicou recentemente na Circulation as diretrizes para ressuscitação cardiopulmonar e emergência cardiovascular. Alguns pontos no protocolo sofreram modificações.
image
O que mudou de 2005 para 2010

Recomendação 2010 Recomendação 2005 Explicação
Uma mudança na seqüência do suporte básico de vida (BLS)
para socorristas formados de "ABC" (via aérea,
respiração, compressões torácicas) para "CAB" (compressões, via aérea, respiração) para adultos e
pacientes pediátricos (crianças e bebés, com exclusão dos
recém-nascidos).
A utilização da seqüência "A-B-C" básico de vida. · Na maioria dos casos de parada cardíaca, a primeira crítica elementos da CPR são compressões  torácicas e desfibrilação precoce.
· Na seqüência CAB, as compressões torácicas serão iniciadas mais cedo e a ventilação adiada até a conclusão do primeiro ciclo de compressões torácicas.
· A seqüência ABC pode ser uma razão pela qual menos de um terço das pessoas em parada cardiorrespiratória recebem RCP. ABC inicia-se com os processos mais difíceis: a abertura do
das vias aéreas e ventilação de resgate.
"Ver, ouvir e sentir" foi removido do algoritmo do BLS. "Ver, ouvir e sentir" foi incluído no algoritmo do BLS. Desempenho do "Ver, ouvir e sentir" é inconsistente e
demorado.
A taxa de compressão de pelo menos 100/min. A taxa de compressão de
"aproximadamente" 100/min.
O número de compressões torácicas por minuto
durante a RCP é determinante no retorno de circulação espontânea (RCE) e de sobrevida com boa função
neurológica. Na maioria dos estudos, o maior número de
compressões durante a reanimação está associado a melhor sobrevivência, e  menor número de compressões está associado com menor sobrevida.
A nova recomendação para a profundidade da compressão torácica: empurrar para baixo sobre o peito do adulto, pelo menos, 2 polegadas (5 cm). Pressione o peito do adulto
aproximadamente 1 1 / 2 a 2 polegadas (aproximadamente 4 a 5 cm).
Compressões geram um fluxo crítico de sangue e oxigênio que fornece energia para o coração e o cérebro. As equipes de resgate, muitas vezes não
empurre o peito forte o suficiente.
Para um leigo não treinado em RCP, é importante  fornecer Hands-Only™ (compressão apenas). Todos os socorristas leigos treinados deveriam, no
mínimo, realizar compressões torácicas para vítimas
de parada cardíaca. Além disso, se os leigos treinados
são capazes de realizar ventilações de resgate,
compressões e ventilações devem ser fornecidas em uma
proporção de 30 compressões para 2 respirações.
As Diretrizes 2005 da AHA para
RCP e ECC não apresentaram
recomendações diferentes para
socorristas treinados versus destreinados mas recomendam que  fornecer instruções para a compressão na RCP apenas para pessoas destreinadas.
Hands-Only (compressão apenas) RCP é mais fácil para um socorrista não treinado executar e pode ser mais facilmente guiado pelo telefone. Além disso, as taxas de sobrevivência da parada cardíaca de etiologia cardíaca são semelhantes tanto com
RCP só com  compressão torácica ou a RCP com compressões e duas ventilações de resgate. No entanto, para o socorrista leigo treinado que seja capaz, a
recomendação continua a ser para o socorrista a realizar as compressões e duas ventilações.

Continue lendo >>

Share/Save/Bookmark

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

18 de Outubro – Dia do Médico

Enquanto as discussões eleitorais ficam só no campo religioso, nenhum dos dois candidatos a presidência se preocupam realmente de debater as propostas para melhorar a vida dos brasileiros, temas como saúde, educação e segurança ficaram em segundo plano.
Neste dia 18 de Outubro espero que o próximo presidente do Brasil cumpra a Lei Nº 8.080, de 19 de Setembro de 1990, garantindo a todos, médicos, profissionais de saúde e paciente um sistema de saúde público de qualidade.
 image

Lei Nº 8.080, de 19 de Setembro de 1990
Art. 2º A saúde é um direito fundamental do ser humano, devendo o Estado prover as condições indispensáveis ao seu pleno exercício.

Continue lendo >>

Share/Save/Bookmark

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

7 erros cometidos por profissionais de saúde nas mídias sociais

Se você é um profissional de saúde, provavelmente você sabe um pouco sobre mídias sociais e se sente compelido a usá-las algumas vezes e você pode realmente estar participando no Facebook / LinkedIn / Twitter / blog.image
Mas pode haver problemas reais no uso de mídias sociais no contexto da saúde. Se você está na prática privada ou trabalha para uma rede hospitalar de grande porte, erros de mídia social podem ser dispendiosos em termos de desvirtuar a sua especialidade, violar o sigilo do paciente, ou limitar o seu crescimento empresarial. Você comete os seguintes erros ao usar a mídia social?
1. Negação . A maioria dos profissionais de saúde desejaria que a mídia social não existisse. Eles vêem isso como confuso e uma distração. As questões sobre como, quando e por que meios de comunicação social são importantes e úteis causam indigestão e alguns simplesmente dizem não para as mídias sociais. O problema com isto é que a mídia social existe para milhões de pessoas (500 milhões no Facebook sozinho) e ignorar todos os meios de comunicação social é ignorar as necessidades de seus pacientes e uma vasta gama de novas oportunidades de desenvolvimento de negócios.
Se você está lendo isso, você provavelmente não é uma negação total, mas ler e se envolver são duas coisas muito diferentes. Mídias sociais estão aqui para ficar. Seus clientes e pacientes provavelmente as usam mais do que você pode imaginar.
2.Medo . Depois da negação, muitos profissionais de saúde passam à fase de aceitação relutante, mas não estão felizes com isso. Eles desconhecem a importância da mídia social ou como efetivamente alavancar-la para ajudar seus pacientes e melhorar sua pratica médica. Desconhecimento = mais ansiedade e medo que os profissionais de saúde têm sobre a mídia social. Mas o medo parece ridículo para algumas das pessoas mais educadas e inteligentes do planeta. Quero dizer, nós não nascemos para fazer uma cirurgia do coração ou do cérebro ou diagnosticar a esquizofrenia. Nós tivemos que aprender a fazer essas coisas ao longo do tempo. Assim também é nas mídias sociais. O céu não está caindo. Você pode aprender a fazer mídia social bem e eficazmente. Aprender é a sua praia.
Ele vai ter coragem de tentar algo novo e trabalhar nele até que nós vermos um retorno positivo. Vai ser um profissional de saúde corajoso e aprender, experimentar e crescer através da mídias sociais?
3. Preguiça . Estar presente nas mídias sociais também dá trabalho. Não é um trabalho de salvar vidas ou um trabalho de pesca de salmão do Alasca, mas requer uma reflexão, tempo e energia. Ouço muitos profissionais de saúde lamentam o fato de que "a mídia social é um trabalho duro", e, em seguida desabafar e falar sobre a injustiça da reforma dos cuidados de saúde, pacientes não valorizá-los, a pressão das empresas de seguros de saúde.
É importante lembrar que todos temos o mesmo número de horas em um dia. Alguém que passa uma hora escrevendo e falando sobre coisas negativas desperdiçou 60 minutos de sua vida. Outra pessoa que utiliza esse tempo para se conectar com as pessoas está fazendo um serviço e construindo seu futuro. Use seu tempo sabiamente, trabalhe para atingir metas positivas. Como você está usando seu tempo?
4. Narcisismo . Muitos profissionais de saúde vêem o Twitter como o lugar onde as pessoas falam sobre sua vida e o que eles comem no almoço. Um dos meus colegas tem esta como a sua assinatura de e-mail: "Siga-me no Twitter: Eu vou te dizer como me sinto." Ugh. Narcisista. Porquê? Primeiro, ele não entende, por outro, ao invés de tentar aprender mais e entender, ele ridiculariza-o e parece insensato. ( se você não entende uma tecnologia, é melhor não dizer nada, para não parecer estúpido na frente de colegas que entendem ... é só dizer.)
Apesar de como pode parecer, a mídia social não é sobre você . Ninguém que lê o seu mural ou tweets realmente se preocupa com o que você sente. Mídia social é sobre como fazer ligações, ajudando os outros com informações úteis, compartilhando idéias e construindo oportunidades de negócios. Se você não está em fazer as coisas do alto, por todos os meios evitar social mídia. Mas se você quiser tocar a vida e crescer profissionalmente, a mídia social é uma forma elegante para dar início ao processo.
5. Egoísmo . A mídia social é sobre a doação. Dando um grande conteúdo, informações, dicas que as pessoas podem usar para viver melhor e ter uma vida saudável. Compartilhamento de artigos e informações de outras fontes que você sabe que vão ajudar os seus leitores. Quanto mais você dá, mais pessoas irão segui-lo.
Mídia Social não é propaganda, nem é seu bebedouro pessoal. O uso egoísta dos meios de comunicação social inclui apenas a radiodifusão seus artigos e posts, usando o Twitter como um fluxo de propaganda ao invés de uma oportunidade para a conexão. Se o que você publica inclui apenas mensagens sobre o seu negócio e você, tome nota. O uso mais poderoso do Twitter é quando você usa o retweet (RT) e as @ respostas(replys). As pessoas que estão aproveitando ao máximo o Twitter dizem que eles retweetam e respondem 90% do tempo, apenas 10% dos seus tweets são sobre o seu próprio material. Partilhar, conversar, apresentar as pessoas umas às outras... Você vai adquirir muito mais experiência em mídia social.
6. Travessuras antiéticas . Você pode usar as mídias sociais de forma antiética. O problema é que a maioria dos profissionais de saúde não percebem quando estão sendo antiéticos online. Então, vamos tentar simplificar. Não é ético a violação da confidencialidade dos seus clientes online. Não faça, em hipótese alguma menção de experiências de seus clientes ou dados demográficos em seu espaço nas mídias sociais.
Alguns profissionais de saúde mental que tem perfis nas mídias sociais se compartam como: "Eu tenho uma conta no Twitter, mas se eu achar que você está me seguindo eu vou bloqueá-lo", ou "eu estou no Facebook, mas você não pode ser meu amigo, pois poderia ser uma violação da confidencialidade. "
À primeira vista, essas declarações parecem ok, até que você pense sobre o que o profissional está dizendo. Essencialmente, ele está dizendo "Eu tenho uma vida social media e você não pode participar.”  O problema é que a mídia social é de acesso livre e aberta. Quando você tem uma conta no Twitter aberta, implica dizer que quem quiser pode segui-lo. Caso contrário, você pode fazer uma conta privada. Então, enquanto você pode evitar que seus clientes chamem-no em casa ou saibam onde você mora, você realmente não pode dizer-lhes o que fazer nas mídias sociais se você tem as contas públicas. Bem, você pode tentar dizer-lhes o que fazer, mas que impacto tem o seu relacionamento e como você pode aplicá-lo?
A atração dos meios de comunicação social é que coloca todos em um campo de jogo igual. Não há qualquer custo de entrada. Se eu quiser acompanhar Lance Armstrong, o presidente Barack Obama, ou o músico John Mayer, eu posso. Quando tentamos dizer aos nossos clientes o que fazer no espaço da mídia social que estão abusando de nosso poder. Se você não está confortável com esta abertura , privatize suas contas ou simplesmente não participe.
7. Falta de imaginação . Este pode ser o pior pecado de todos. Eu percebi ao longo dos poucos meses atrás o quão poderosa a mídia social pode ser na influência de idéias das pessoas, na mudança de comportamento e educação dos grandes grupos de pessoas. Nós profissionais de saúde somos tão presos nos primeiros 6 pecados desta lista que não consideramos todas as possibilidades positivas. Nós paramos em usos simples, colocamos barreiras, esperamos por alguém mais autorizado do que nós para nos dar a permissão e, essencialmente, nós e nossos  clientes paramos de crescer. É frustrante.
Susan Giurleo é uma psicóloga que tem um blog - BizSaavy Therapist.
Fonte:Kevin MD.com

Continue lendo >>

Share/Save/Bookmark

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Corrida pela Cura - Brasil Race for the Cure

Em 2010, pela primeira vez, a Race for the Cure acontecerá na América do Sul. A corrida e caminhada chegam ao Rio de Janeiro, no dia 24 de outubro, através de uma parceria entre a Susan G. Komen for the Cure® e as instituições: Sociedade Franco Brasileira de Oncologia, Federação Brasileira das Instituições Filantrópicas de Apoio à Saude da Mama (FEMAMA), Instituto Oncoguia, Sociedade Brasileira de Mastologia e Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica.
Estudos científicos mostram que a possibilidade de desenvolver o câncer de mama é significativamente menor entre o público feminino que pratica atividades físicas regularmente. Além disso, o exercício é recomendado para mulheres com a doença, durante ou após a terapia. A prática de exercício físico e de esportes têm efeitos positivos sobre o desempenho físico, estado mental e qualidade de vida dos pacientes com câncer.
O Susan G. Komen Race for the Cure® é o maior e mais bem sucedido evento do mundo no que se refere à conscientização do câncer de mama e à arrecadação de fundos* para a luta contra a doença.
Susan G. Komen lutou contra o câncer de mama com o coração, corpo e alma. Ao longo de seu diagnóstico e tratamento no hospital, pensava em maneiras de ajudar a melhorar a vida de outras mulheres com câncer de mama. A preocupação com outras pessoas continuou mesmo quando Susan se aproximou do fim de sua luta. Movida pela compaixão de Susan com o próximo, Nancy G. Brinker prometeu à irmã que faria tudo que estivesse ao seu alcance para tentar acabar com o câncer de mama.
Em 1982, essa promessa deu origem à ONG Susan G. Komen for the Cure. Hoje, a instituição é a maior rede popular do mundo de sobreviventes do câncer da mama e de ativistas que lutam para salvar vidas, envolver as pessoas, garantir tratamento de qualidade para todos e estimular a ciência para a descoberta de curas.
Nos últimos 27 anos, a ONG Susan G. Komen for the Cure teve um papel crítico em cada importante progresso na luta contra o câncer de mama, transformando como o mundo aborda e trata da doença e ajudando a transformar milhões de pacientes do câncer de mama em sobreviventes.
Graças a eventos como o Susan G. Komen Race for the Cure® e contribuições de parceiros, patrocinadores e apoiadores, a instituição já investiu mais de US$ 1,5 bilhão para cumprir sua promessa. A ONG tornou-se a maior fonte de fundos sem fins lucrativos dedicada à luta contra o câncer de mama no mundo.
image

Race for the Cure

Informações
Brasil Race for the Cure - Rio de Janeiro
24 de outubro de 2010 (domingo)
Corrida: Local: Praias do Leblon, Ipanema e Copacabana
Distância: 6K
Horário da largada: 8:00
Horário de retirada de chip: 6:00 - 7:30
Retirada de Kit:
Local: Loja Centauro - Shopping Leblon - Av. Afrânio de Melo Franco, 290 – Piso 1 - Loja 107A – Leblon
Quinta (21/10): das 10:00h às 20:00h / Sexta (22/10): das 10:00h às 20:00h / Sábado (23/10): das 10:00h às 20:00h
*Não serão entregues kits no dia e nem após o evento.
Inscrição: R$45,00 até 26/09 e R$50,00 de 27/09 à 19/10
Kit: Camiseta de poliamida Brasil Race for the Cure, sacolinha, número de peito e chip de cronometragem.

Premiação:
Troféu para os 5 primeiros da categoria geral feminino e masculino
Medalhão para os 3 primeiros colocados de cada categoria
Medalha “finisher” para todos que cruzarem a linha de chegada
Caminhada: Local: Praias de Ipanema e Copacabana
Distância: 3K
Horário da largada: 8:35
Retirada de Kit:
Local: Loja Centauro - Shopping Leblon - Av. Afrânio de Melo Franco, 290 – Piso 1 - Loja 107A – Leblon
Quinta (21/10): das 10:00h às 20:00h / Sexta (22/10): das 10:00h às 20:00h / Sábado (23/10): das 10:00h às 20:00h
*Não serão entregues kits no dia e nem após o evento.
Inscrição: R$35,00 até 26/09 e R$40,00 de 27/09 à 19/10

Continue lendo >>

Share/Save/Bookmark

domingo, 10 de outubro de 2010

Monitorização Cardíaca Contínua usando seu celular Android

Interuniversity Microelectronics Centre (IMEC)

Pesquisadores e profissionais de criação de software desenvolveram um sistema de monitoramento cardíaco móvel que permite ver o seu eletrocardiograma de um celular Android.  A inovação é a interface de baixa energia que transmite sinais de ECG via  wireless (eletrocardiograma, monitoração do coração) do sistema sensor para um  celular Android.

Fonte:Science Daily

Continue lendo >>

Share/Save/Bookmark

domingo, 3 de outubro de 2010

VII Congresso de Clínica Médica do Estado do RJ

image
Programa Científico 

Local do Evento: 
Centro de Convenções SulAmérica 
Av. Paulo de Frontin com Av. Pres. Vargas - Cidade Nova - Rio de Janeiro

Continue lendo >>

Share/Save/Bookmark

Mês da Saúde – Tenha uma vida saudável se divertindo

Você tem o desejo de ter uma vida mais saudável, mas ainda assim nunca encontrou uma maneira de colocar isso em prática? Você começa novos bons hábitos só para depois vê-los cair no esquecimento?  Você vai esperar indefinidamente por um empurrão?

Mês da Saúde é um novo jogo social sobre nutrição e a mudança de comportamento, combinando-a com jogos sociais da web para ajudar as pessoas a melhorar a saúde de uma maneira divertida e sustentável.

De acordo com o jogo, a fórmula para uma vida saudável tem 4 ingredientes:

  1. A informação (a maioria das pessoas tem isso, e nós podemos ajudar a preencher as lacunas)
  2. A capacidade (a maioria das pessoas tem isso também)
  3. A motivação (quem não quer ser mais saudável, pelo menos um pouquinho, né?)
  4. A diversão e desencadear sustentável. A razão. O desafio pessoal. O jogo.

image

Depois de completar um mês de jogo os participantes ganham um badge exclusivo no Foursquare.

image

Como funciona o jogo:
Antes do início do jogo
1. Escolha as suas regras (reduzir ingestão de açúcar, carne vermelha, ingerir mais frutas, etc.)
2. Faça as suas apostas e promessas
3. Escolha como você quer jogar
* Jogos com 3 ou menos as regras estão livres
* Jogos com 4 ou mais regras são ou 5 dólares por jogo, ou US $ 50 por ano para se tornar um membro
* Se você não puder pagar, você também pode procurar patrocínio. Cada jogador pode patrocinar uma pessoa por mês, ou eles podem optar por pagar para você.
4. Apresente-se para os outros jogadores e esperar o jogo começar
Após o jogo começa
1. Marcar as suas regras a cada dia
2. Receba pontos
3. Compartilhe seu progresso

image

Continue lendo >>

Share/Save/Bookmark

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Atualização do Google Health

O Google Health lançou novas funcionalidades para permitir que as pessoas usem o serviço para acompanhar o seu exercício, dieta e outros parâmetros de saúde como os níveis de glicose no sangue. Você pode definir objetivos, tomar notas, e, basicamente, usá-lo como o diário do seu bem-estar.
image
O novo design também oferece informações mais personalizadas para o seu conjunto particular de condições médicas ou medicamentos específicos. Você pode acessar a melhoria das ligações de conteúdo para cada condição médica, medicação ou resultado laboratorial que você tem no seu perfil do Google Health.
Utilizando o Google Health, você poderá armazenar seu histórico médico completo, inserindo seus dados pessoais como peso, altura, idade, sexo e dados clínicos como alergias, medicamentos que faz uso, cirurgias às quais foi sub metido, resultados de exames, vacinas, etc. Esta é uma forma para compilar todas as suas informações de saúde em um mesmo local, reduzir o tempo na busca de históricos de tratamentos e diagnósticos antigos, localização de profissionais, entre outros. Apesar de se encontrar apenas em inglês e a possibilidade de importação de seus dados médicos a partir de bancos de dados brasileiro ainda não existir, você poderá, caso deseje, colocar os dados manualmente. O interessante para brasileiros no momento, é você gerenciar tais dados, organizar e gerenciar endereços dos seus médicos e exames, e procurar informações sobre as doenças.
image

Continue lendo >>

Share/Save/Bookmark

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Aprenda Radiologia

image

O LearningRadiology.com é um site de ensino para estudantes de Radiologia produzido pelo Dr. William Herring, Vice-Presidente e Diretor do Programa de Residência de Radiologia no Albert Einstein Medical Center na Filadélfia, Pensilvânia, onde ele foi o Diretor do Programa de Residência de Radiologia por mais de 25 anos.

A cada semana um caso clínico é publicado, seguido por uma discussão sobre o diagnóstico e os resultados. Há uma quantidade considerável de material adicional disponíveis em PowerPoint, Flash, PDF e formatos de quiz interativo e flashcard.

O site também disponibiliza vídeo podcasts sobre Radiologia que podem ser baixados pelo iTunes.

Continue lendo >>

Share/Save/Bookmark

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Dicas para Conversar com seu Médico

Desde o início da faculdade de Medicina, os futuros médicos aprendem na disciplina de Semiologia ou Propedêutica como conduzir uma consulta médica através de uma anamnese criteriosa e organizada, como realizar um exame físico minucioso e à partir deste ponto elaborar uma hipótese diagnóstica.
Os pacientes normalmente quando procuram atendimento médico não apresentam suas queixas de forma ordenada e algumas vezes acabam ficando com muitas dúvidas mesmo após a consulta, pensando nisso os médicos Jim Sutton e Sagar Nigwekar escreveram o livro “Top 5 Questions to Ask Your Doctor” (o livro ainda não foi lançado em português) , que aborda como os pacientes devem perguntar e quais as questões devem ser esclarecidas durante uma consulta médica.
MED029
Dicas para Conversar com seu Médico
Quando você pensa sobre a relação médico-paciente, a palavra "relacionamento" é muito importante. O médico típico tem 2000-3000 doentes, muitos dos quais vêem apenas uma ou duas vezes por ano.
Entrar em um consultório médico pode ser como entrar em um mundo diferente.  Há muitas vezes "regras" e "protocolos" que o médico, enfermeiras e funcionários seguem que você pode não estar familiarizado. Este livro oferece algumas perguntas muito úteis para você ter uma conversa inteligente com o seu médico, mas há outras coisas que podem ser úteis para fazer a consulta melhor.
Vendo 20-30 destes pacientes a cada dia, no Brasil este número em geral é superior, a maioria dos médicos têm apenas relações profissionais com seus pacientes, a maioria dos seus pacientes são conhecidos por apenas um nome e qualquer outra informação está no boletim médico. Isto é agravado pelo fato de que você só poderá ver o seu médico por alguns minutos algumas vezes por ano. Portanto, você deve estar no modo "construção de relacionamentos" desde o minuto que você entra no consultório. Quanto melhor o relacionamento que você tem com o seu médico, maior a probabilidade de você ter boas e detalhadas conversas com ele ou ela.
Pense em seu cônjuge, colegas de trabalho, amigos casuais, a família e as coisas que você faz para ter um bom relacionamento com essas pessoas. Esses mesmos princípios básicos podem percorrer um longo caminho para ajudar a construir um relacionamento com o seu médico. Aqui estão algumas dicas.
Vestido para o sucesso
Vestir-se profissionalmente mostra força e confiança. Médicos e seus funcionários são pessoas também, e você não deve julgar um livro pela capa, mas todos nós fazemos isso! Se você estiver indo para uma entrevista, ao banco pedir um empréstimo, ou sair para um encontro pela primeira vez, você experimenta melhorar sua aparência para fazer uma boa primeira impressão. Vista-se assim para consultar o seu médico, e você verá a diferença no seu tratamento em cada etapa da visita.
Traga alguém com você
Os médicos estão habituados a ter mais de uma pessoa na sala ao mesmo tempo. Um médico irá agir de forma diferente com mais de uma pessoa na sala, porque a maioria das pessoas se comportam de forma diferente quando estão em grupo ou um-a-um. Além disso, quando você estiver doente ou lidar com um diagnóstico desconfortável, com uma outra pessoa na sala para lembrar o que foi dito é sempre útil. Quem acompanha você às vezes pode pegar alguma coisa da conversa que você deixou passar. Uma palavra de cautela: Certifique-se que você está confortável discutindo informações pessoais na frente da pessoa que você trouxer!
Conecte-se com o seu médico
Construir um relacionamento é estar conectado com a outra pessoa. Os médicos normalmente permitem um ou dois minutos no início da consulta para esta conexão. Aproveite este tempo para sorrir, apertar as mãos, fazer um bom contato visual, e usar esse tempo para "socializar" antes da consulta começar. Introduções iniciais boas são "Quanto tempo eu não te vejo" ou "Eu gostei das alterações feitas na sala de espera."
Definir a agenda
Os médicos têm uma quantidade limitada de tempo para visitas no consultório. A fim de usar seu tempo sabiamente geralmente definem a agenda e controlam a visita, tanto quanto possível. Devido a esse controle você pode perceber que a visita acabou antes de você chegar a fazer suas perguntas. Para prevenir isso, se envolva na definição da agenda para a consulta. A maioria dos médicos vai começar a visita com uma pergunta de abertura como "Como posso ajudá-lo hoje?" Ou "O que posso fazer por você hoje?" Esta é a sua oportunidade de definir a agenda. Se você disser: "Eu venho tendo essa dor de cabeça por três dias", em seguida, o médico irá mudar o seu cérebro para modo de dor de cabeça e esta se torna a ordem do dia. Aqui estão algumas maneiras para definir a ordem do dia:
Médico: Como posso ajudá-lo hoje?
Paciente: Eu não estou doente hoje. Eu só quero passar alguns minutos falando sobre o meu diabetes, e eu tenho algumas perguntas sobre a minha doença.
Médico: Como posso ajudá-lo hoje?
Paciente: Eu tive uma dor de cabeça por três dias. Depois de fazer o diagnóstico, eu gostaria de perguntar-lhe algumas questões sobre minha condição.
A maioria dos médicos consideram o diagnóstico como o fim da consulta e, em seguida, sua atenção para prescrever um tratamento. Se você não avisar o seu médico que você está querendo terminar a consulta com algumas perguntas, então ele / ela não pode poderá coordenar o tempo corretamente.
Use seu tempo sabiamente
“Timing” é tudo. Esteja preparado para falar sobre suas dúvidas e problemas no menor espaço de tempo. Tenha suas perguntas prontas antes de o médico entrar na sala. Se você está lá por um sintoma específico, em seguida, tão logo o diagnóstico (ou possível diagnóstico) seja mencionado, abra suas anotações na página apropriada e esteja preparado para fazer suas perguntas.
Permita algum silêncio
Uma pausa bem cronometrada será um longo caminho. Quantas vezes você já tentou fazer alguma coisa enquanto alguém estava conversando e quebra a sua concentração? Não faça suas perguntas durante o exame, ou quando a receita está sendo escrita, ou se o médico ainda está fazendo perguntas para determinar o diagnóstico. Deixe a conversa fluir naturalmente e dê tempo ao médico para "praticar a sua arte", como olhar no prontuário, realizar um exame, e fazer perguntas. Guarde suas perguntas para depois que tudo isso é feito.
Há determinadas questões que são importantes para perguntar sempre que você consultar seu médico. É importante conhecer e entender os seus problemas de saúde, bem como compreender o seu tratamento. Se o seu médico tiver diagnosticado recentemente uma nova condição médica, ou se iniciar ou alterar um tratamento, você vai achar estas questões muito úteis. Além das questões de doenças específicas neste livro, você também deve fazer estas perguntas sobre o seu tratamento sempre que puder.
Top 5 questões
Como eu sei que meu tratamento está funcionando?
Como a medicação ou tratamento que estão prescrevendo trata a minha doença?
Há mais de uma condição que poderia estar causando o meu problema?
Qual é exatamente o meu estado, e o que causou isso?
Quais os sintomas eu devo observar que signifiquem eu ter que entrar em contato com você ou procurar ajuda imediata?
Outras perguntas que você pode considerar fazer
Existem opções de tratamento que não envolvem medicamentos?
Quanto tempo vai demorar para eu me sentir melhor?
Se meus sintomas piorarem, o que posso fazer por minha conta antes de te ver?
Esta minha condição médica é permanente ou temporária?
Perguntas que você deve fazer sobre seus medicamentos
Toda vez que for prescrito um medicamento você deveria fazer estas perguntas:
Top 5 questões
Posso tomar um medicamento genérico ou este está disponível?
Você pode rever as minhas instruções comigo?

  • A que horas devo tomar este medicamento?
  • Devo tomar o medicamento com ou sem comida?
  • Posso tomá-lo com outros medicamentos?
Quais são os riscos e possíveis efeitos colaterais deste medicamento?
Qual é a razão para tomar essa medicação, e como ela funciona?
Será que esta medicação interage com qualquer outro medicamento que estou tomando?
Outras perguntas que você pode considerar fazer
Minha medicação pode ser interrompida de repente ou será preciso ser interrompida lentamente?
Preciso seguir todas as restrições (álcool, direção e trabalho)?
Você acha que uma caixa de pílula irá me ajudar?
Quanto tempo eu preciso tomar meu remédio?
Se eu não tolerar este medicamento, em seguida, quais são as minhas alternativas?
O que devo fazer se eu não tomar uma dose?
Onde posso guardar este medicamento em casa?
Fonte: Kevin MD

Continue lendo >>

Share/Save/Bookmark

terça-feira, 17 de agosto de 2010

Greve dos Médicos-residentes

Médicos-residentes decidem nesta quarta-feira se continuam em greve

A comissão de greve da Associação Nacional dos Médicos-Residentes (ANMR) deve decidir nesta quarta-feira se continua ou não com o movimento por aumento no valor da bolsa-auxílio, segundo o presidente da entidade, Nívio Moreira.
A categoria começou a greve nesta terça-feira, reivindicando aumento de 38,7% da bolsa, que, atualmente, é de R$ 1.916,45. Os ministérios da Saúde e da Educação propõem um reajuste menor, de 20%. De acordo com Moreira, em alguns estados, os residentes rejeitaram a proposta do governo, porém outras assembleias ainda não encerraram o debate.

image

Continue lendo >>

Share/Save/Bookmark

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Aplicativo de Radiologia para iPhone

O Assistente de Radiologia acaba de lançar um aplicativo para iPhone, iPod e iPad trazendo o conteúdo do site para o seu dispositivo móvel. O Assistente de Radiologia é o site de ensino da Sociedade de Radiologia da Holanda, com foco em problemas comuns em radiologia de forma orientada para os residentes de radiologia e radiologistas. Ele fornece algumas informações relevantes sobre uma grande variedade de temas, tornando-se um excelente recurso para os residentes de radiologia. O aplicativo otimiza o conteúdo para visualização em tela pequena e está disponível off-line.
iphone_review
iTunes link: The Radiology Assistant
Fonte: Medgadget

Continue lendo >>

Share/Save/Bookmark

domingo, 25 de julho de 2010

Insidermedicine – Atualização médica diária

O projeto Insidermedicine é uma iniciativa que visa disponibilizar a pacientes, médicos e estudantes de medicina  as informações mais recentes e relevantes sobre saúde e atualização médica. Diariamente um vídeo é disponibilizado trazendo uma seleção das principais notícias publicadas em todo o mundo. Há vídeos específicos para pacientes, médicos e estudantes. O acesso a todo o conteúdo é gratuito e a programação regular é disponibilizada em inglês, chinês e espanhol.
image

Continue lendo >>

Share/Save/Bookmark

domingo, 11 de julho de 2010

A Copa acabou mas o futebol continua e as lesões também

A Copa do Mundo terminou hoje com a Espanha conseguindo seu primeiro título. Foi um jogo com tantas faltas duras que Felipe Melo deve ter ficado com inveja de não ter participado e felizmente nenhuma falta resultou em lesões sérias.
O futebol é o esporte mais praticado no mundo. Segundo a FIFA, é praticado por mais de 60 milhões de pessoas em mais de 150 países. Um contingente tão elevado de praticantes leva necessariamente a um grande número de lesões e torna o esporte objeto de estudos também na área de saúde.
As lesões que ocorrem mais freqüentemente nos atletas de futebol são:
1.Contusão (pancada, com 33,71%) - são lesões superficiais decorrente de trauma, com pele íntegra e de intensidade variável; (entre a pele e o osso). felipe melo
2.Lesão muscular ( com 21,72%) - ruptura de pequenas quantidades de fibras musculares.joelho de vidro
3.Entorse (torção) - é o resultado de movimentos bruscos que a articulação realiza acima do normal. Se a lesão for mais violenta pode resultar em torções de osso configurando um quadro de luxação.
entorse
4. Luxação e Fratura (são as lesões menos frequentes)
Luxação - perda da contigüidade das superfícies ósseas das articulações.
Fratura - solução de continuidade do osso por mecanismos traumáticos que supera a elasticidade e resistência do osso.
eduardo da silva
A localização mais freqüente das lesões é nos membros inferiores, especialmente o joelho (24,30%), seguido pela coxa (21,71%) e pelo tornozelo (12,20%). Os fatores mais comuns predisponentes de lesões no futebol estão associados ao tipo de treinamento, condicionamento dos atletas e outros tipos de fatores isolados (como estado psicológicos,fraturas por contato e jogadores violentos como o Felipe Melo).
Viva La Roja!

Continue lendo >>

Share/Save/Bookmark

terça-feira, 6 de julho de 2010

Biblioteca de Eletrocardiograma

imageO eletrocardiograma (ECG) foi introduzido na prática médica por Willen Eithoven  em 1902. Este exame registra a atividade elétrica do coração em repouso, após a colocação de dez eletrodos: dois localizados nas pernas, dois localizados nos antebraços e seis localizados na região anterior do tórax .

Estes eletrodos permitem o registro de 12 ou mais derivações ( D1 , D2 , D3, AVR, AVL ,AVF, V1 , V2, V3, V4, V5 e V6 ). Estas derivações avaliam a atividade elétrica de determinadas partes do coração.O ECG é o exame cardiológico mais simples, sendo obrigatório em qualquer avaliação dentro dessa especialidade.

O site ECG Library disponibiliza diversos exemplos de traçados eletrocardiográficos para quem está iniciando o estudo de Cardiologia/ECG.

São disponibilizados ECG normais, com isquemia miocárdica, sobrecarga, bloqueios, arritmias e etc...

Continue lendo >>

Share/Save/Bookmark

segunda-feira, 21 de junho de 2010

Aplicativo para iPhone do NEJM

image O New England Journal of Medicine (NEJM) lançou no dia 15 de Junho mais uma novidade.
Trata- se de um aplicativo para iPhone chamado "NEJM This Week", que traz a maioria do conteúdo do site NEJM para o seu iPhone em um formato otimizado. O aplicativo possui quatro seções, abrangendo artigos recentes, imagens, áudio e vídeo. O app inclui a "primeira linha" de artigos, mas há uma defasagem de sete dias para os artigos estarem disponíveis através do aplicativo. O aplicativo é gratuito,compatível com iPhone, iPod touch, e iPad, incluindo por um tempo limitado o acesso a todo o conteúdo do NEJM.

Continue lendo >>

Share/Save/Bookmark

terça-feira, 8 de junho de 2010

Exercite seus conhecimentos de Anatomia

Quando o calouro tem sua primeira aula de Anatomia, alguns se desesperam com a quantidade de tópicos para estudar (calouro em sua natureza é um bicho desesperado), assimilar todas as origens e inserções musculares demandam horas no Anatômico e muito tempo de estudo.
Principalmente para eles e para os veteranos que querem fazer uma revisão o 'Anatomy Arcade' é uma ótima dica para exercitar. O site reúne diversos jogos do tipo , caça palavras, quebra cabeças, palavras cruzadas e você pode estudar cada sistema humano separado.
AAheader

Continue lendo >>

Share/Save/Bookmark

domingo, 30 de maio de 2010

Jogo Trauma Team para Wii

imageFoi lançado no dia 18 de Maio o jogo Trauma Team para o console Wii.

Este lançamento é mais uma ação da parceria entre Nintendo e a American Heart Association em prol de uma vida saudável e que une o Wii e a Medicina.

O jogo é o primeiro do gênero a oferecer ao jogador a possibilidade de mergulhar no ambiente hospitalar e pré hospitalar,atendendo emergências em 6 tipos de especialidades médicas diferentes.

De acordo com alguns vídeos de demonstração, o jogo não é fiel aos protocolos reais de atendimento ao trauma.

Apenas divirta-se e não espere seguir o ATLS.

Eu estava pensando em comprar um Xbox 360 mas agora fiquei na dúvida…

[Via Leandra Carneiro do TIMedicina]

Fonte: medGadget

Continue lendo >>

Share/Save/Bookmark

terça-feira, 25 de maio de 2010

Anatomia é uma arte!


O Anatomy Tattoos é um grupo no Flickr que reune até agora 136 tatuagens de esqueletos,órgãos e sistemas humanos, alguns estilizados, outros parecendo fotos de peças anatômicas.
 

Continue lendo >>

Share/Save/Bookmark

terça-feira, 11 de maio de 2010

Haja coração para torcer pela Seleção Brasileira do Dunga

Cardiologistas vão rastrear infartos de torcedor por causa da Copa

Durante um jogo de futebol os torcedores estão suscetíveis a diversas emoções que já iniciam antes do jogo começar com a escalação daquele jogador que está em má fase e vão até o apito final quando seu time é campeão.
Aquela máxima de que todo brasileiro é um técnico de futebol é a mais pura verdade e em época de Copa do Mundo são 180 milhões de técnicos para convocar apenas 23 jogadores.
A convocação de hoje não agradou uma boa parte dos técnicos brasileiros acostumada com o futebol arte e que serão obrigados a torcer por uma seleção com um meio campo tão pouco criativo, dominados por volantes o que realmente causará fortes emoções.
As emoções de jogos decisivos geram tantos problemas cardíacos nos torcedores, que a Sociedade Brasileira de Cardiologia decidiu fazer uma pesquisa sobre a influência de um jogo dramático de futebol sobre a saúde dos espectadores, durante as partidas da Copa do Mundo.
Quatro hospitais com Unidade Coronariana serão selecionados, Dante Pazzanese e Hospital do Coração entre eles, e o total de eventos cardíacos do mês de maio e sua gravidade serão correlacionados com crises de arritmias, angina, infartos e derrames durante os jogos na África do Sul.

“A única pesquisa que existe a respeito - Cardiovascular events during World Cup Soccer - foi feita na Alemanha e analisou 4.279 infartos”, explica Nabil Ghorayeb que participa da Câmara Técnica em Medicina do Esporte do Conselho Federal de Medicina, cuja função é recomendar medidas para reduzir o número de mortes durante eventos esportivos, o que pressupõe a presença de equipe de atendimento de emergência em todos os eventos.
“A Câmara foi criada por instâncias do Ministério Público Federal”, explica Nabil, pois há uma preocupação generalizada com os problemas cardíacos dentro e fora de campo. A Sociedade Brasileira de Cardiologia está ultimando a primeira ‘Diretriz em Cardiologia do Esporte’, uma coletânea de todo o que deve ser feito para atender a problemas cardíacos entre esportistas, verdadeiro manual que ficará à disposição dos médicos.

INUNDAÇÃO E TERREMOTO
“Uma emoção repentina, seja positiva ou negativa, provoca uma descarga adrenérgica no organismo”, explica o diretor de Promoção de Saúde Cardiovascular da SBC, Dikran Armaganijan, e há um aumento da freqüência cardíaca, da pressão arterial, da velocidade do sangue e isso pode levar à instabilidade do endotélio, uma camada das artérias. Se a pessoa tem problemas cardiovasculares, mesmo sem saber, uma placa de ateroma pode se romper e causar um infarto ou acidente vascular cerebral.
A própria SBC fez recentemente um estudo sobre esse efeito da emoção, quando o cardiologista Sergio Timmerman levantou a média de infartos antes e depois dos deslizamentos e enchentes que afetaram Santa Catarina, registrando um aumento de quase 30%. Os dados são compatíveis com estudos feitos durante o furacão Katrina, em Nova Orleans e durante o bombardeiro de Israel contra Beirute, no Líbano.
O caso mais recente de morte por emoção causada por futebol foi de um homem de 40 anos, que sofreu um infarto durante um recente jogo do Palmeiras, conta Nabil, que estudou o caso. Os médicos tentam estudar o problema do ponto de vista científico, conta o especialista, já houve uma tentativa de mensurar o aumento dos eventos cardíacos como arritmias e até infartos quando o Brasil perdeu jogos contra a Itália e a França, em Copas do passado, mas não havia registros confiáveis das causas dos problemas cardíacos, registros esses que é projeto da SBC organizar.
O importante, porém, é a prevenção, insistem os cardiologistas. Quem é emotivo ou fanático por futebol deve tomar cuidados especiais, se tem fatores de risco cardíaco. “Se o paciente toma um beta-bloqueador toda noite, no dia do jogo deve antecipar o horário de tomar o remédio”, explica Nabil, “é importante evitar bebidas alcoólicas e café que aumentam a pressão” e, para os muito emotivos, vale até tomar um tranqüilizante fitoterápico, aspirar o ar profundamente e solta-lo devagar, atividade que acalma e, em último caso, não assistir ao jogo.

Fonte: Assessoria de Imprensa da SBC
Jornalista Responsável: Luiz Roberto Queiroz


Confira a lista dos 23 jogadores convocados para a Copa do Mundo
GOLEIROS: Julio César (Inter de Milão), Gomes (Tottenham), Doni (Roma)
LATERAIS: Maicon (Inter de Milão), Daniel Alves (Barcelona), Michel Bastos (Lyon), Gilberto (Cruzeiro)
ZAGUEIROS: Lúcio (Inter de Milão), Juan (Roma), Luisão (Benfica), Thiago Silva (Milan)
MEIO-CAMPISTAS: Felipe Melo (Juventus), Gilberto Silva (Panathinaikos), Ramires (Benfica), Elano (Galatasaray), Kaká (Real Madrid), Josué (Wolfsburg), Julio Baptista (Roma), Kleberson (Flamengo)
ATACANTES: Robinho (Santos), Luis Fabiano (Sevilla), Nilmar (Villarreal), Grafite (Wolfsburg)
RESERVAS Alex (Chelsea - zagueiro), Carlos Eduardo (Hoffenheim - meia), Ronaldinho Gaúcho (Milan - atacante), Sandro (Internacional - meia), Ganso (Santos - meia), Marcelo (Real Madrid - lateral) e Diego Tardelli (Atlético-MG - atacante)
 
Futebol é A paixão nacional!

Continue lendo >>

Share/Save/Bookmark

quinta-feira, 6 de maio de 2010

Prêmio Top Blog 2010-Começou a Votação

Pelo segundo ano seguido o Mediskina foi indicado ao prêmio Top Blog!
Para votar cliquem aqui ou na imagem abaixo.

image

Continue lendo >>

Share/Save/Bookmark

sábado, 1 de maio de 2010

IX Congresso dos Hospitais de Emergência do Rio de Janeiro

banner_site_congresso_IX
IX Congresso Médico dos Hospitais Públicos de
Emergência do Rio de Janeiro
29 de maio de 2010 - Centro de Convenções SulAmérica
AVALIAÇAO E CONDUTA INICIAL EM EMERGÊNCIA
7h às 8h – INSCRIÇÕES
MÓDULO I: Salão 1: 8h às 9h30 - Atendimento Médico Pré-Hospitalar
• Atendimento à dor torácica no pré-hospitalar fixo e móvel
• Experiência médica no terremoto do Haiti
MÓDULO II: Salão 2: 8h às 9h30 - Emergências Cardiológicas
• Arritmia na emergência
• Edema agudo de pulmão
• Reanimação cardiopulmonar
MÓDULO III: Salão 1: 9h30 às 11h - Atendimento Inicial ao Politraumatizado
• Controle do dano
• Choque no politraumatizado
• Controvérsias na reposição volêmica
MÓDULO IV: Salão 2: 9h30 às 11h - Emergências Neurológicas
• Avaliação do coma sem tomografia
• Acidente Vascular Cerebral – Diagnóstico diferencial e conduta
• Diagnóstico de morte encefálica
11h às 11h15 - Intervalo para Café
MÓDULO V - Salão 1: ABERTURA OFICIAL
• Mesa de abertura
• Homenagens dos Hospitais de Emergência
12h45 às 13h45 - Intervalo para almoço
MÓDULO VI: Salão 1: 13h45 às 15h15 - Temas Especiais
• Baleados
• Afogados
• Queimados
MÓDULO VII – Salão 2: 13h45 às 15h15 - Atualização Clínica
• Diabético na emergência
• Emergências hipertensivas
• Síndrome coronariana aguda
MÓDULO VIII: Salão 1: 15h15 às 16h45 - Atualização Cirúrgica
• TCE / TRM
• Trauma Torácico
• Trauma Abdominal
MÓDULO IX: Salão 2: 15h15 às 16h45 - Infecção na Emergência
• Sepses na emergência
• H1N1
• Infecções oportunistas no imunocomprometido
16h45 às 17h - Intervalo para Café
MÓDULO X: Salão 1: 17h às 18h30 - Temas Cirúrgicos
• Atendimento inicial ao paciente na emergência
• Abdome agudo cirúrgico
• Hemorragia digestiva
MÓDULO XI: Salão 2: 17h às 18h30 - Temas Clínicos
• Intoxicações exógenas e drogas
• Insuficiência respiratória aguda
• Emergências nefrológicas
EMERGÊNCIAS GINECOLÓGICAS E OBSTÉTRICAS
Coordenação: Cons. Vera Fonseca
MÓDULO I: 8h30 às 10h00 – Emergências em Ginecologia
• Trauma genito-urinário
• Hemorragias
• Violência sexual
MÓDULO II: 10h00 às 11h30 – Emergências em Obstetrícia
• DPP e atonia uterina
• Acretismo placentário e rotura uterina
• Reanimação cardiopulmonar e cesárea Peri e post-mortem
MÓDULO III: 13h30 às 15h – Dor Pélvica
• Real necessidade dos métodos de imagem
• Papel da laparoscopia
• Cirurgia de urgência
MÓDULO IV: 15h às 16h30 – Emergências Clínicas no Ciclo Gravídico-Puerperal
• Eclampsia
• Cetoacidose diabética
• Choque séptico
EMERGÊNCIAS PEDIÁTRICAS
Coordenação: Cons. Sidnei Ferreira
MÓDULO I: 8h às 10h - A Criança Grave
• Abordagem da criança com insuficiência respiratória
• Reanimação cardiopulmonar
• Mal convulsivo
CONFERÊNCIA: 10h às 11h – Abordagem da criança politraumatizada na emergência
MÓDULO II: 13h45 às 15h45 - Aspectos éticos do atendimento na emergência
• Estrutura e Pessoal
• Prontuário
• Atestado de Óbito
MÓDULO III: 15h45 às 16h45 - Emergências frequentes
• TCE
• Abdome Agudo
• Intoxicações Exógenas
• Cetoacidose diabética
TEMAS LIVRES
CASOS INTERATIVOS CLÍNICOS/CIRÚRGICOS
ESTAÇÕES PRÁTICAS
• Oficina de Suporte Básico de Vida
• Oficina de RCP com Desfibrilação Semi-Automática
• Oficina de Entubação Oro-Traqueal
IMAGEM NA EMERGÊNCIA
#EuVou

Continue lendo >>

Share/Save/Bookmark

segunda-feira, 26 de abril de 2010

Campanha Nacional para Prevenção da Hipertensão Arterial

As sociedades brasileiras de Hipertensão (SBH), de Cardiologia (SBC) e de Nefrologia (SBN) em parceria com o Ministério da Saúde iniciam nesta segunda-feira (26),  Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão, a campanha nacional "Prevenir a Hipertensão é Uma Escolha. Só Depende de Você".
imageA elevação da pressão arterial representa um fator de risco independente, linear  e contínuo para doença cardiovascular. A hipertensão arterial apresenta custos médicos e socioeconômicos elevados, decorrentes principalmente das suas complicações, tais como: doença cerebrovascular, doença arterial coronariana, insuficiência cardíaca, insuficiência renal crônica e doença vascular de extremidades.
De acordo com uma pesquisa realizada pelo Ministério da Saúde, 63,2% das pessoas com 65 anos ou mais dizem sofrem de hipertensão. No total da população adulta, o percentual de pessoas que se declaram hipertensos é de 24,4%. A pesquisa, que foi realizada com 54 mil pessoas nas capitais dos 26 estados e no Distrito Federal, mostra um crescimento da auto-declaração da doença em todas as faixas etárias em um comparativo entre 2006 e 2009.
A cidade do Rio de Janeiro foi a capital em que a pesquisa encontrou o maior percentual de pessoas que se declararam hipertensos (28%). Na sequência aparecem Recife (27,6%), São Paulo (26,5%) e Campo Grande (26,5%). O menor índice foi registrado na cidade de Palmas, com o registro de 14,9% de pessoas com a doença.
Fontes:
Ministério da Saúde
Federação Nacional dos Médicos
V Diretrizes Brasileiras de Hipertensão Arterial

Leia também:10 Mandamentos para Prevenção e Controle da Pressão Alta

Continue lendo >>

Share/Save/Bookmark

segunda-feira, 19 de abril de 2010

Micróbios gigantes-Bichinhos de Pelúcia literalmente

Você gostaria de ter um modelo do vírus da influenza A H1N1(gripe suína) de pelúcia com 1 milhão de vezes o tamanho real ?
A empresa americana GIANTmicrobes ®  criou diversos modelos de fungos, vírus da gripe comum, gripe suína, HIV, bactérias,  insetos como o mosquito Culex e células como hemácias,neurônios e plaquetas, todos de pelúcia!
Cada modelo vem com uma imagem e informações sobre o micróbio real que ela representa. micróbios gigantes De acordo com o site da empresa os modelos podem servir como grandes ferramentas de aprendizagem, bem como presentes divertidos para qualquer pessoa com um senso de humor.
Os mais vendidos incluem: O resfriado comum, gripe, neurônio, MRSA, leucócito, E. coli, e muito mais!
corporeals

Continue lendo >>

Share/Save/Bookmark

terça-feira, 13 de abril de 2010

Novo Código de Ética Médica

Após 22 anos sem atualização, entra em vigor hoje o novo Código de Ética Médica (CEM)brasileiro. O texto atualizado, que regula a conduta dos profissionais de saúde, prevê situações que vieram com os avanços da ciência, como a manipulação genética e o tratamento de pacientes em estado terminal. O novo CEM foi aprovado em 29 de agosto de 2009 durante uma plenária que contou com a participação de cerca de 400 delegados, entre conselheiros federais e regionais de Medicina, membros de sindicatos e sociedades de especialidades, além de representantes de várias entidades médicas.

Foram analisadas 2.677 sugestões encaminhadas por médicos e entidades organizadas da sociedade. Os principais temas propostos estavam ligados à medicina do trabalho, ao direito do médico, aos princípios fundamentais do CEM, à responsabilidade profissional, à publicidade médica, às condições de trabalho e à interferência mercantil das operadoras de saúde. “Também revisamos e incorporamos a este novo Código algumas condutas já determinadas pelo Conselho Federal de Medicina em resoluções”, completa Arnaldo Pineschi, diretor 2º secretário e coordenador da Câmara Técnica de Bioética do CREMERJ.

O novo Código de Ética Médica é composto de um preâmbulo com 6 incisos, 25 incisos de princípios fundamentais, 10  incisos sobre “direitos”,  118  artigos de normas deontológicas (sobre “deveres”), e 4 incisos de disposições gerais. O documento trata, dentre outros temas, dos direitos dos médicos, da responsabilidade profissional, dos direitos humanos, da relação com pacientes e familiares, da doação e transplantes de órgãos, da relação entre médicos, do sigilo profissional, dos documentos médicos, do ensino e da pesquisa médica, e da publicidade médica.

Algumas novidades são o reforço à autonomia do paciente, o reconhecimento da finitude da vida humana – o Código de 1988 não mencionava a mortalidade humana em seus princípios fundamentais – e a instituição de regras para reprodução assistida.

A distanásia, por exemplo, passa a ser considerada, com mais ênfase, antiética e imoral. A intenção é que não haja o prolongamento obsessivo da vida biológica por meio de equipamentos, em detrimento do respeito ao ser humano nos níveis físico, psíquico, social e espiritual.

Outros temas que tiveram suas diretrizes revistas, atualizadas e ampliadas se referem à segunda opinião, ao conflito de interesses, à publicidade médica, à responsabilidade médica, ao uso do placebo e à interação dos profissionais com planos de financiamento, cartões de descontos ou consórcios.

O Código de Ética Médica, que rege a prática médica em todo o Brasil, também conta com um posicionamento sobre os grandes debates contemporâneos no campo da bioética como a questão  dos transplantes de órgãos, os ensaios clínicos, a eutanásia, a reprodução assistida e a manipulação genética. Sendo assim, a manipulação de células germinativas é outra prática vedada pelo novo Código. Fica proibida, por exemplo, a escolha do sexo ou a cor dos olhos de bebês. Mas a terapia gênica (procedimento médico que envolve a modificação genética de células somáticas como forma de tratar doenças) está prevista ─ prática que ainda está se desenvolvendo e requer grande controle ético.

Fontes: Conselho Federal de Medicina (CFM) 
             Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio de Janeiro (CREMERJ).



Continue lendo >>

Share/Save/Bookmark

quinta-feira, 1 de abril de 2010

Relação de especialidades reconhecidas pelo CFM, AMB e CNRM

1. Acupuntura
2. Alergia e imunologia
3. Anestesiologia
4. Angiologia
5. Cancerologia
6. Cardiologia
7. Cirurgia cardiovascular
8. Cirurgia da Mão
9. Cirurgia de cabeça e pescoço
10. Cirurgia do aparelho digestivo
11. Cirurgia geral
12. Cirurgia pediátrica
13. Cirurgia plástica
14. Cirurgia torácica
15. Cirurgia vascular
16. Clínica médica
17. Coloproctologia
18. Dermatologia
19. Endocrinologia e Metabologia
20. Endoscopia
21. Gastroenterologia
22. Genética médica
23. Geriatria
24. Ginecologia e obstetrícia
25. Hematologia e hemoterapia
26. Homeopatia
27. Infectologia
28. Mastologia
29. Medicina de família e comunidade
30. Medicina do trabalho
31. Medicina do tráfego
32. Medicina esportiva
33. Medicina física e reabilitação
34. Medicina intensiva
35. Medicina legal
36. Medicina nuclear
37. Medicina preventiva e social
38. Nefrologia
39. Neurocirurgia
40. Neurologia
41. Nutrologia
42. Oftalmologia
43. Ortopedia e traumatologia
44. Otorrinolaringologia
45. Patologia
46. Patologia clínica/medicina laboratorial
47. Pediatria
48. Pneumologia
49. Psiquiatria
50. Radiologia e diagnóstico por imagem
51. Radioterapia
52. Reumatologia
53. Urologia

Relação das áreas de atuação reconhecidas:

1. Administração em saúde
2. Alergia e imunologia pediátrica
3. Angiorradiologia e cirurgia endovascular
4. Atendimento ao queimado
5. Cardiologia pediátrica
6. Cirurgia crânio-maxilo-facial
7. Cirurgia da coluna
8. Cirurgia da mão
9. Cirurgia dermatológica
10. Cirurgia do trauma
11. Cirurgia videolaparoscópica
12. Citopatologia
13. Cosmiatria
14. Dor
15. Ecocardiografia
16. Ecografia vascular com doppler
17. Eletrofisiologia clínica invasiva
18. Endocrinologia pediátrica
19. Endoscopia digestiva
20. Endoscopia ginecológica
21. Endoscopia respiratória
22. Ergometria
23. Foniatria
24. Gastroenterologia pediátrica
25. Hansenologia
26. Hematologia e hemoterapia pediátrica
27. Hemodinâmica e cardiologia intervencionista
28. Hepatologia
29. Infectologia hospitalar
30. Infectologia pediátrica
31. Medicina de urgência
32. Medicina do adolescente
33. Medicina fetal
34. Medicina intensiva neonatal
35. Medicina intensiva pediátrica
36. Nefrologia pediátrica
37. Neonatologia
38. Neurofisiologia clínica
39. Neurologia pediátrica
40. Neurorradiologia
41. Nutrição parenteral e enteral
42. Nutrição parenteral e enteral pediátrica
43. Nutrologia pediátrica
44. Pneumologia pediátrica
45. Psicogeriatria
46. Psicoterapia
47. Psiquiatria da infância e adolescência
48. Psiquiatria forense
49. Radiologia intervencionista e angiorradiologia
50. Reprodução humana
51. Reumatologia pediátrica
52. Sexologia
53. Transplante de Medula Óssea
54. Ultra-sonografia em ginecologia e obstetrícia

Relação das especialidades que viraram áreas de atuação:

1. Administração em Saúde,
2. Cirurgia da Mão,
3. Citopatologia,
4. Endoscopia Digestiva,
5. Endoscopia Respiratória,
6. Hansenologia,
7. Hepatologia,
8. Nutrição Parenteral e Enteral e 9. Neurofisiologia Clínica.

Fonte: Conselho Federal de Medicina

Continue lendo >>

Share/Save/Bookmark

domingo, 28 de março de 2010

Vacinação para Médicos contra H1N1 no CREMERJ

O CREMERJ fechou uma parceria com a Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro para montar um posto de vacinação exclusivo para médicos na sede do Conselho, em Botafogo, contra a Influenza H1N1. De 29 a 31 de Março, uma equipe da secretaria fará a vacinação dos médicos no Auditório Júlio Sanderson. Será preciso apenas apresentar a carteira de identidade médica.

O médico também pode ser vacinado no posto de saúde mais próximo do seu trabalho ou de sua residência. De acordo com a Secretaria de Saúde, o critério de vacinação da cidade do Rio de Janeiro foi ampliado atendendo à solicitação dos médicos. Agora todos serão vacinados, mesmo aqueles que atendem apenas em consultórios, clínicas e hospitais particulares, bastando apresentar a carteira profissional do CREMEJ no posto. O funcionamento dos postos de saúde é de segundas a sextas-feiras, das 8h às 17h; e aos sábados, das 8h às 13h.

Vacinação de médicos contra H1N1
Quando: de 29 a 31 de março (segunda, terça e quarta-feira), das 10h às 16h
Onde: na sede do CREMERJ (Auditório Júlio Sanderson - Praia de Botafogo, 228, lojas 103 a 106)

calendario

Algumas pessoas estão se perguntando como foi feita a escolha dos grupos que estão sendo vacinados, o Ministério da Saúde informa que :”As faixas a serem vacinadas foram definidas após extensas pesquisas e discussões entre profissionais da epidemiologia em saúde, sociedades cientificas e de classe, afim de identificar, dentre toda a população brasileira, aquelas pessoas com mais chances de adoecer e morrer devido ao contágio pela Influenza H1N1.
Foi identificado maior gravidade entre as crianças de seis meses a menores de dois anos, as gestantes, portadores de doença crônica. Outro grupo, das pessoas saudáveis de 20 a 39 anos também foi incluído devido ao alto índice de acometimento deste público.
Destaca-se também a necessidade de se vacinar os trabalhadores de saúde que atuam nos serviços onde estão sob potencial risco de contrair a infecção pelo vírus influenza pandêmica (H1N1) 2009, pelo contato com possíveis suspeitos da doença, especialmente aquele trabalhador que sua ausência compromete o funcionamento do serviço.”

Fonte:CREMERJ e Ministério da Saúde

Continue lendo >>

Share/Save/Bookmark

terça-feira, 16 de março de 2010

Simuladores Médicos

Pra quem está iniciando o estudo da ventilação mecânica, uma ótima dica é o simulador do respirador Inter 5 Plus.

simulador inter plusPode ser inserido parâmetros ventilatórios para adultos, crianças e neonatos.

Outra dica para estudantes de Medicina e Enfermagem é o Simulador de Arritmias(em espanhol).arritmia

Via: [MD Blogger]




Continue lendo >>

Share/Save/Bookmark

segunda-feira, 8 de março de 2010

Vacinação contra gripe A começa nesta segunda,dia 8

A primeira etapa da estratégia nacional de vacinação contra a gripe A H1N1 começa hoje. Durante duas semanas, até 19 de março, somente os trabalhadores de serviços de saúde que atuam diretamente na resposta à nova gripe e os indígenas que vivem em aldeias serão imunizados. O público-alvo é estimado em 1.915.000 trabalhadores de serviços de saúde e 566.000 mil indígenas. A meta é vacinar, pelo menos, 80% dessas pessoas.

vacinaEntre os trabalhadores, estão médicos, enfermeiros, recepcionistas, pessoal de limpeza e segurança, motoristas de ambulância, equipes de laboratório e profissionais que atuam na investigação epidemiológica. Os indígenas que vivem em aldeias serão vacinados pelos agentes da Fundação Nacional de Saúde (Funasa), como ocorre nas demais campanhas de vacinação do Ministério da Saúde.

Fonte: Ministério da Saúde

Continue lendo >>

Share/Save/Bookmark

segunda-feira, 1 de março de 2010

Telemedicina no Rio de Janeiro

telemedicinaDe acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS – http://www.who.org), Telemedicina compreende a oferta de serviços ligados aos cuidados com a saúde, nos casos em que a distância é um fator crítico; tais serviços são prestados por profissionais da área da saúde, usando tecnologias de informação e de comunicação para o intercâmbio de informações válidas para diagnósticos, prevenção e tratamento de doenças e a contínua educação de prestadores de serviços em saúde, assim como para fins de pesquisas e avaliações. 

Lentamente a telemedicina tem sido implantada no Brasil. Em Janeiro o piloto do projeto telemedicina carioca começou a funcionar, em Realengo. Os médicos dos PSF podem contactar — por meio de computador, internet e webcam — uma equipe que fica na Uerj, no Maracanã. O grupo, formado por cinco médicos da família que atendem de segunda à sexta das 13h às 17h, vai ganhar o reforço de profissionais com especialização.Este projeto visa agilizar o diagnóstico do paciente e confirmar se é necessário o encaminhamento a outra unidade.

Além de permitir ao médico da família discutir o caso do paciente com outros profissionais, a Telemedicina vai ser usada para avaliar se o tratamento deve ser feito no próprio posto ou em outra clínica.

Outro sistema que está sendo usada na clínica da família é o Telecardio. No próprio posto, onde não há cardiologista, um paciente pode realizar um eletrocardiograma e receber seu resultado. Após a realização do exame, o laudo é enviado pela internet para um especialista analisar no Hospital Miguel Couto.

Fonte: Jornal Extra



Continue lendo >>

Share/Save/Bookmark

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

Médico usa iPhone para reanimar pacientes

rcp

Um médico croata diz ter descoberto uma nova função para o seu iPhone. Ivor Kovic transformou seu smartphone em um aparelho médico capaz de reanimar pacientes.

Acoplado a um acessório criado por ele, o iPhone conta com a ajuda de um software já existente no mercado, conhecido por PocketCPR, disponível em inglês, que emite um sinal sonoro quando a reanimação difere das ideais cem pressões por minuto sobre o peito e indica se a força aplicada é a mais adequada.

Fonte: Época Negócios

Continue lendo >>

Share/Save/Bookmark

©2008-2011 Mediskina: Aqui a gente brinca mas ensina Medicina | by Carolina Rosa

  ©Template by Dicas Blogger.

TOPO